Postado terça-feira, 29 de abril de 2014

Mulheres altas - o que usar?

Eu vivo o dilema de ser baixinha e geralmente penso  em roupas para baixinhas. Uma amiga minha, a Narla Rodrigues, que inclusive já participou aqui do blog na resenha da leitora, é meu oposto. Alta,bem alta. E aí vem suas indagações:

1- E quando se é alta demais?


Tudo que eu evito, você PODE e DEVE usar à vontade

*Listras horizontais: as listras deitadas, finas ou largas, apontam para o lado, certo? Sendo assim, ao contrário das listras verticais que dão impressão de continuar o corpo para cima, alongando, as horizontais criam efeito inverso. Dão idéia de continuidade corporal sim, mas não no sentido de alongar. Quem é magra,  também pode usar e abusar das listras horizontais por ter essa idéia, meio que dão uma alargadinha no corpo, deixando claro que isso não significa que você ficará gorda.

* Calças cropped (popularmente conheidas como capri,cigarrete, etc) e calças com barra italiana: A calça cropped é aquela mais curtinha, cujo comprimento termina pouco acima do tornozelo e barra italiana é aquela dobra pra fora que já vem na calça ou você mesmo faz, no jeans, por exemplo. Esses modelos "cortam" a pessoa duas vezes: cortam na cintura e cortam no tornozelo. A impressão de pernas mais curtas é evidente! Ultimamente tem aparecido também as pantalonas croppeds que são ótimas para pessoas altas. O ideal é usar essas calças com sapatilhas mais decotadas, mas se você quiser ressaltar ainda mais o efeito de encurtar, use com sapatos mais fechados no peito do pé ou ainda com aquelas tiras no tornozelo.

* Maxi acessórios: Bolsas grandes, botões grandes, fivelas e cintos largos e de cores diferentes da roupa de preferência, maxi colares, braceletes, pulseiras, brincos e anéis grandes. Tudo maxi, Detalhes e acessórios micro não combinam com a mulher que é muito alta. São muito delicados e se estiverem sendo usados na mulher alta, o tamanho micro deles irá contrastar demais com a altura dela e evidenciar ainda mais seu tamanho corporal.

*Cortar a silhueta: Não se assuste! Não estamos no massacre da serra elétrica. Vamos cortar seu corpo, mas com cores e tecidos lindos! Evite looks monocromáticos (mesma cor em cima e embaixo), que alongam e te farão parecer mais alta com a ilusão de unidade corporal. O negócio é contrastar! Use cores diferentes na parte superior e inferior, contrastantes, blocos de cor, cor clara com escura, calça clara com sapato escuro... Se por exemplo você coloca uma blusa branca + saia azul + cinto + sapatilha, repare que o corpo não parece ser "todo a mesma coisa". Corta na linha do decote (se tiver), na linha da cintura, corta na linha de término da saia, corta no peito do pé da sapatilha (a não ser que ela seja aberta e da cor da sua pele). Conseguiu entender?  Use e abuse também das saias mídi que estão super em alta e tem efeito achatador.

*Coordenar proporções: Usar, por exemplo, mangas longas embaixo de mangas curtas, camiseta grande com colete pequeno, jaquetinha cropped, barras em alturas diferentes. Evite usar shorts de cintura alta que alonga. Use e abuse de pantalonas e calças flare.Dê preferência à roupas com cintura mais baixa.



2- E quando se é alta demais e gosta de saltos absurdos?

Amiga, SEJA FELIZ! Coloca o salto e arrasa, o importante é você usar o que gosta, o que se apaixona. Claro que existem dicas para serem usadas e abusadas, mas viver dentro de regras também não é legal. E outra coisa, gosta de saltos absurdos? Use ankle boots, gladiadoras, open boots, bota de cano curto, enfim, todas essas sandálias que cobrem o peito do pé dão a impressão que sua perna é mais curta. Ou seja, vc vai terá salto que ama, mas terá o equilíbrio! 


3-E quando tudo cabe em você mas fica curto demais?

Neste caso é questão de você tirar dias para fazer realmente um tour em diversas lojas, porque cada uma tem sua modelagem, só assim para saber quais lojas você vai ter a certeza que isso não acontecerá. O negócio é "bater perna". E se ficar do tamanho certo na bainha, mas mais largo em cima? Arrume uma costureira que ela dá um jeito nisso rapidinho. 










FONTE: GOOGLE IMAGES

Postado quarta-feira, 23 de abril de 2014

Zeitgeist

Prada


 Ultimamente o que mais se vê ao folhear as revistas de moda, físicas e virtuais, é a palavra "conforto". Ou  "comfy" ou ainda "dress down" (vestir-se de modo casual) se você preferir falar de forma mais cool.


Significado de Conforto
s.m. Tudo o que constitui o bem-estar material: gostar de conforto. / Consolo, consolação, solidariedade nos momentos de aflição ou infortúnio. in Dicionário Aurélio online


O sporty style invadiu com força as passarelas, editoriais, vitrines e afins, e é daí que vem o tão falado conforto. É o que se quer, o que se pede e EXIGE hoje: conforto, praticidade, utilidade, funcionalidade. O dia a dia da massa populacional é atribulado. Até quem é rico - e aí você já pensa em mulheres de milionários que só gastam (será?) - tem  compromissos sociais e pessoais que tornam a rotina estressante. Rico ou pobre, não interessa. É ida ao médico, à escola de filho, cuidar de casa, ir ao supermercado, ter foco no trabalho,  cuidar do físico, estar bem informado, ter a necessidade de se auto aprimorar, ter vida social, ter vida virtual, se divertir... é um tal de fazer isso e aquilo que não se tem mais tempo de respirar. A atualização é exponencial. O tempo é rápido, não espera e você tem que atender de imediato suas determinações. Tudo isso faz parte do choque de realidade.

Se a vida está assim, isso reflete obviamente  na moda. É o Zeitgeist.

"Zeitgest- Em alemão, o espírito do tempo. Conceito dos românticos alemães, que se refere ao clima intelectual e cultural de uma era concreta." (in Riezu; Coolhunters; Senac)
 
 Esse conceito aparece nos tricôs, sobretudos tipo cobertor, matelassês, maxi casacos, ponchos, moletons bem trabalhados, bomber jackets, pulls, peles, vestidos em A, tecidos tecnológicos e tênis. Tudo que representa conforto, aconchego, dinamismo, funcionalidade, praticidade, liberdade de movimento, realidade. Ao mesmo tempo é simples e luxuoso.

Lembre-se: conforto não significa desleixo. 


Chanel



Balmain

Marc Jacobs


Céline

Céline

Burberry

Dior

Balenciaga

Dolce & Gabbana

Postado sexta-feira, 18 de abril de 2014

Casamentos diurnos: o que usar?

Em geral, quando pensamos em casamento, já vem à mente a palavra "noite". Ocorre que ultimamente tenho sido convidada para casamentos durante o dia e aí surge a indagação que sempre nos assombra: com que roupa eu vou? Como estamos mais acostumadas à vestimenta de casamento noturno, ou melhor, estamos mais condicionadas, quando acontece uma ocasião assim, surgem as dúvidas. Mas estou aqui para esclarecer suas dúvidas de convidada! Vem comigo!

"Nossa imagem precisa funcionar, precisa estar adequada. Roupas, acessórios, postura, maquiagem: ajudam muito. Você mostra o cuidado e o respeito que teve com o outro e que naturalmente tem com você mesma. É um primeiro passo para as coisas darem certo" (Costanza Pascolato in O Essencial)


Quando o casamento acontece de dia (manhã-tarde), na cidade, campo ou praia, primeiro pensa-se na cor. Preferencialmente não se deve escolher preto, branco e off white (por razões óbvias, a não ser quando o casamento é na praia e normalmente pede-se para ir de branco). Pense em cores claras, em toda a cartela de tons pastéis ou candy e afaste todo ou quase todo o brilho.  

Caso opte por estampados, dê preferência a tom sobre tom, estampas florais, românticas, nada muito piscodélico. Se o casamento é na praia, a inspiração navy (pensando nas listras) é bem interessante.

Modelos de vestidos curtos e midi, que podem ser evasés, envelopes ou retos (evite os muito justos e extravagantes que não combinam com a ocasião!) em tecidos leves como organza, gazar, seda, crepe, musseline e renda estão liberados.

 Caso não vá de vestido, sempre há a opção de saias lápis, retas, longas, evasés com camisas de bom corte, de seda, por exemplo ou com blusas em tecidos nobres. Outra opção agradável é o tailleur, além das calças de alfaiataria. Cuidado com transparências e decotes que, em excesso podem aparentar vulgaridade, o que a gente não quer, não é mesmo?

Em relação aos acessórios, pode-se usar sapatilhas sem salto ou rasteiras (praia, por exemplo) bem trabalhadas (com pedras, swarovsky, etc), sandálias com salto mais grosso e não tão altos, clutches de cores suaves e estampadas e de materiais artesanais, como a palha. As jóias ou bijus devem seguir o visual. Make mais leve (uma pele bem feita com base - cuidado pra não deixar a base aparente, tem que parecer que sua pele é perfeita assim -blush pêssego ou rosado, batom nude e rímel são passos básicos), cabelos soltos, meio-presos, tranças e rabos de cavalo são bons penteados para casamentos de dia, que não exigem um visual muito formal, normalmente.

Os homens podem usar ternos beges, cinza-claros ou chumbo. Outra opção é usar calça de sarja clara com camisa clara e blazer por cima. Na praia a calça de linho fica super elegante!

Montei alguns looks no Polyvore para ilustrar as propostas.



Day Wedding



Day Wedding


Day Wedding



Day Wedding

Treat me like a queen

É interessante notar como a moda, filha do capitalismo, nos dizeres de Silvana Holzmeister (O Estranho na moda) está intimamente ligada ao sentido que damos à vida e, ainda mais, ao modo que queremos nos afirmar nela. Não é de hoje que as pessoas tentam se expressar através da moda, sendo possível até entender uma pessoa pelo que está usando. Mas mais interessante ainda é que essa capacidade de entender a pessoa pelo traje está cada vez mais desconstruída, tendo em vista a capacidade nossa imagética de projetar uma imagem diferente a cada instante.

 Hoje, vivemos em um supermercado, onde todas as opções estão ali, prontas para serem compradas e usadas. Basta escolher. O hipossuficiente pode parecer rico e vice-versa. Está tudo nas nossas mãos. E sempre há a questão da necessidade de aprovação social. Ainda aqueles que falam que não precisam disso, aqueles que dizem que a moda é futilidade, que querem passar esse conceito antimoda, na verdade acabam recaindo na própria moda. É natural e inevitável do ser humano e em algum momento da vida você terá essa necessidade e a moda é parte fundamental desse processo, seja no trabalho ou em relacionamentos em geral. Acredite. O jogo das relações pessoais é pesado.

Citando Renata Pitombo Cidreira, em seu artigo "O gosto na moda" (Dobras, vol. 5, nº12, nov-12):

"Não por acaso, já no início de século XX, Georg Simmel (1994) afirmava que a moda, a vestimenta e os adornos poderiam ser considerados exemplos da manifestação da dinâmica da vida e do processo de afirmação de si e das relações sociais. Assim, em relação à moda, podemos dizer que ela é o visível de uma força invisível: a vestimenta visibiliza quem posso a vir ser." 

É esse "quem posso a vir ser" que está fazendo com que marcas tradicionais e conceituadas, como Louis Vuitton , Goyard, GucciValentino insistam na personalização ou customização de seus produtos. Quem não iria amar entrar em uma loja de grife, dotada de história forte no mundo na moda, ter um atendimento impecável e sair de lá com sua peça personalizada com suas iniciais ou nome? É o exclusivo. É aquela peça que só pertence à dona, que se sente uma verdadeira privilegiada. Através desse atuar eles estão comunicando "você é única".

Lendo a revista Harper´s Bazaar Brasil deste mês, duas páginas são dedicadas a essa questão, cujo título da matéria é "Luxo pessoal" (por Vívian Sotocórno) e começa com a seguinte frase: "Por que se contentar apenas em adquirir a última it bag - que muitas também terão -, quando se pode tê-la feita especialmente para você?"

Percebeu a questão? A bolsa personalizada é um item de luxo. É um item único e eterno, justamente como queremos ser. E aí entra a questão da aparência e toda a discussão filosófica da importância da moda ao longo do tempo na construção pessoal e social.

A Valentino chega no Brasil com a coleção Rouge Absolute Signature e no momento na compra, a cliente já pode customizar as peças vermelhas da marca com suas iniciais. As marcas de luxo estão investindo nesse contato com o cliente. Querem que se sintam like a queen e acho uma estratégia muito válida porque esse contato só aproxima. Ano passado, a Gucci lançou na Bloomindale´s em Nova York um pop up corner onde os clientes personalizavam as bolsas e lenços junto com os artesãos da marca. Mais que adquirir a bolsa com as iniciais, é luxo presenciar o próprio artesão atuando. A Fendi também segue essa linha, gravando nomes de personalidades nas bolsas para divulgar o made to order

Quem compactua com o mundo das réplicas não terá esse luxo. Aliás, já dizia Carrie em um dos episódios do seriado Sex and the city, que não havia graça comprar uma bolsa, ainda que verdadeira, às ocultas. O que todos querem é entrar no ambiente da loja e receberem o tratamento de luxo. E andarem com o produto de luxo. E se sentirem assim. 

Aprovação social? Producão imagética?  O que você quer ser? Qual a imagem que quer transmitir? O importante é sentir-se bem consigo mesma, aproveitar esse tempo em que podemos nos reinventar a cada instante, ainda que seja com um acessório diferente, mas que traz esse significado, independente do valor que se paga, 10 reais ou 10 mil reais, o significado que você é o verdadeiro luxo. 

Fonte aqui



fonte garotas estúpidas
fonte aqui








Postado quinta-feira, 17 de abril de 2014

Senac Moda Informação Verão 2015 : Inocência e Sedução

Segundo a cartilha deste ano do Senac Moda Informação Verão 2015, mais uma tendência é apontada: Inocência e Sedução.


"Dois aspectos distintos são explorados neste tema, tendo a feminilidade como ponto comum entre eles:

Baby Face: romantismo jovem expresso em fluidez e leveza na junção de materais e formas que remetem a antigos enxovais com esmerado trabalho manual de interposição de transparências, rendas, fitas bordadas e camadas de minibabados. Vestidos boneca curtos, com cintura e saias soltinhas, têm presença destacada.

Romantismo Sensual: a influência dos anos 1920 é marcante nas formas lânguidas e no luxo moderno, que se revelam em decotes geométricos ousados e sensuais com acabamento de galões, tiras e alças "spaghetti" em cor contrastante, além da ornamentação elaborada e elegante em bordados com fios e pedras com brilho iridescente. Os tecidos são fluidos, delicados e abusam das transparências veladas por sobreposições ou cortes que têm no universo feminino seu foco principal."







A Inocência e Sedução é representada pelas candy colors, aquelas cores da caixinha dos açucarados macarons, sabe? As cores são doces, mas têm muita personalidade! Há muita sobreposição de rendas em diferentes cores, para um visual mais moderno, contrastando com muito branco, como, por exemplo, uma roupa com forro candy e renda branca por cima.

 Bordados, babados nas barras das saias, plissados, golinhas do mesmo tecido ou de tecido diferente em contraste com o restante da roupa, estampa de boquinhas, silhueta ladylike, tassel, corte a laser, casaquinhos tweed, floral 3D, tules bordados, estampas reduzidas, print de margaridas com fundo escuro, print de gatinhos, borboletas, poá retrô, xadrez delicado, alças fininhas sob influência da lingerie, rendas localizadas na cintura, costas e mangas, top croppeds de algodão, piquê, saias flare, lápis, micro e mini comportadas, macaquinhos, salopetes e plástico retratam bem essa trend.






























Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...