Postado domingo, 31 de agosto de 2014

Desfile Bertaí Sartório

Na última quinta-feira aconteceu o desfile da loja Bertaí Sartório, aqui em Nova Iguaçu, apresentando a coleção primavera-verão 2015. O Cláudio, a Bertaí e a Crystal Sartório são pessoas muito queridas na cidade, possuindo duas lojas, sempre atualizadas com as tendências e muito bom gosto. Lembram do vestido rosa chá e preto rendado que eu usei em um casamento e postei aqui? É da loja deles!Como de costume, o desfile foi realizado no espaço de frente mesmo à loja,mais intimista. Abaixo, alguns looks desfilados, vamos ver?

Postado sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Makes da Lígia (ensaio)

Para o ensaio da Lígia Fernandes eu fiz 3 makes de acordo com a proposta daquele universo de academia.

1- Make Lígia Bailarina:

Aqui pensei no suor e na pele que fica naturalmente ruborizada, em razão do calor da sala de dança e dos movimentos corporais. Queria um visual glossy, efeito molhado, já na vibe da volta do gloss como tendência de bauté do verão 2015.

Pele: Preparei  a pele com o Sephora Lotion-Sèrum booster d´hydratation, que é um serum super "aguinha", cuja finalidade é incrementar a hidratação da pele. Se passado antes do hidratante normal da pele, aumenta em 25% a hidratação, mas gosto muito dele sozinho que já dá uma hidratada, tira aquelas peles que craquelam na pele de vez em quando em regiões como laterais do nariz  e é comedogênico.Após, apliquei o Primer Photo Finish da Smashbox para matificar e fechar os poros, já visando uma pele mais perfeita. Usei a base que a Lígia levou, mas infelizmente não recordo o nome e a marca. Após, apliquei corretivo tanto na pálpebra móvel, quando na bolsa dos olhos, ali na região das olheiras e em alguns pontos do rosto que necessitavam maior cobertura. A paleta corretora usada foi a Dermacolor da Kryolan, que é a minha preferida ever. Com o pincel, passei o pó HD Microfinition da Make up Forever, maravilhoso, que deixa a pele incrível e é muito bom para maquiagens para foto e vídeo. Usei levemente o bronzer Terracota da Guerlain para marcar a região do blush e afinar a bochecha e joguei um rosadinho em cima com o Benetint da Benefit, que é um líquido que serve para tingir lábios e bochechas, p. ex, é fica super natural, dependendo da sua dosagem na pele. O Benetint ajudou dar o efeito ruborizado natural que eu queria.

Olhos: Usei nos olhos a sombra Tease da Naked 2, Urban Decay para dar uma leve profundidade ao olhar. Em seguida apliquei bastante gloss transparente MAC na pálpebra móvel para dar um efeito glossy, molhado. Complementei com um pouquinho do Gloss glitterizado MAC coleção Marilyn Monroe. Finalizei com a Máscara de Cílios Miss Manga black angel da L´Oreal. Embaixo, infelizmente não registrei, mas usei o lado Gold do Lápis delineador Duo Black Gold Oceane femme. Retoquei a sobrancelha com o lápis Universal para sobrancelhas Vult.

Boca: A bailarina que está na aula de dança, vai estar com aquela boca também levemente corada, devido a circulação sanguínea. Usei o batom Tangerine da Payot, que é um coral rosado leve, dando batidinhas na boca dela para ficar bem sutil. Finalizei com gloss glitterizado MAC da coleção Marilyn Monroe.

Resultado:


Produtos utilizados:


2- Lígia Boxeadora

Aqui a make já tinha que aparacer mais! A produção da Lígia tinha o dourado como cartela de cor e aí pensei em um olho todo gold, saindo da pálpebra móvel, chegando quase na sobrancelha e fazendo tipo um gatinho bem alongado na linha que vai ali pra cima da orelha. O efeito ficou ótimo nas fotos.

Pele:Utilizei os mesmos produtos acima, aliás a pele já estava preparada. Apenas complementei com um pouco do blush Solar Ray da MAC, pois devido ao suor no dia, o blush já tinha saído um pouco e esse, puza para um coral com dourado, lindo demais.

Olhos: Já estavam com o gloss que me facilitou. Espalhei a Glitters Palletes dourada Make up Forever.

Boca: Espalhei o glitter dourado dando batidinhas sutis nos lábios da Lígia para ficar tudo dourado. Depois usei o Batom Hang up da MAC que é super escuro, um roxo, meio uva, também dando batidinhas.

Resultado


Produtos utilizados:



3- Make para Stiletto


A Lígia encarnou uma dançarina de stiletto, ou seja, uma dança em cima do salto, onde se trabalha postura, equilíbrio e sensualidade. É a dança das divas da música, como Beyoncé.

Pele: Mesma coisa, mas dei uma retocada com o blush Orgasm da Nars.

Olhos: Tirei com lenço umedecido o excesso de glitter dourado ali na parte perto da sobrancelha e na lateral dos olhos. Mantive o glitter apenas na pálpebra movel e cobri com sombra preta opaca blackout da Naked 2. Ficou um mix de Black & Gold. Apliquei lápis preto (engraved) da MAC.

Boca: Tirei todo o glitter que estava na boca e apliquei batom nude (da mãe da Lígia, não recordo a marca)

Resultado:

Produtos utilizados

Postado quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Rio Moda Discute Internacional - dias 26 e 27 de agosto - Arquitetura e Visual Merchandising

O Rio Moda Discute Internacional, no dia 26 de agosto, trouxe ao público a presença de quatro arquitetos renomados para abordarem a ARTE E ARQUITETURA DE LOJA.


O debate foi iniciado por Ippolito Pestellini, arquiteto italiano que assina os desfiles da Prada desde 2007, que falou da arquitetura de loja e desfiles e esclareceu que a Prada não se apresentou como marca, mas como máquina cultural. Pestellini afirmou que o merchandising pode se tornar um evento e que fashion shows são muito importantes porque passam a estratégia da campanha. E continuou dizendo que quando se fala em referências, você tem que entender a história da coleção, onde fica o conceito: "Nós temos o produto, o espaço e a luz para representar o conceito"



Bel Lobo seguiu o talkshow reforçando a idéia de que sempre tem que ver a composição que melhor se identifica com a marca, pois esta vai se modificando conforme o tempo e, portanto a composição muda também. A marca tem que traduzir o que ela é no momento e, para isso, há todos os equipamentos e iluminação. A arquiteta disse que suas inspirações vêm muito mais das artes plásticas que da arquitetura e que para traduzir o briefing há a necessidade de criar toda a ambientação da loja, criar emoção. Exemplificou sua palestra com imagens da arquitetura da Richard's, Salinas, Farm, Livraria da Travessa, Phebo, Schutz, Melissa, Jelly e Quem disse Berenice?



Edson Matsuo esclareceu que o branding aliado à arquitetura proporcionam uma experiência emocional e o que faz diferença em qualquer trabalho são as pessoas e sem elas, a casa, como um lar, perde sua razão de existência, "quanto mais gente faz parte disso, mais poderoso é o trabalho". Matsuo, contou com o apoio de Domingos Pascalli, que citou ainda que a marca imprime referência na arquitetura.


RMDI2014 - ARTE E VISUAL MERCHANDISING - DIA 27 DE AGOSTO

O último dia da exposição “A Arte que você Veste” com interação dos talkshows do Rio Moda Internacional, foi agraciado com Camila Salek (Viner), Ron Pompei (Pompei AD) e Ana Luiza (Ralph Lauren), abordando o tema “Arte e Visual Merchandising”.


Camila Salek, que prefere chamar o VM de “Experience Merchandising”, pois segundo ela “a experiência de compra é muito importante nesse negócio”, ilustrou sua palestra com diversos cases que já trabalhou. Camila afirmou o crescimento do VM dentro do contexto de marketing da marca e fez questão de dizer que “VM não é vitrine e muito menos vitrine bonita”, “atua no ambiente da loja como um todo e não só na vitrine”. Para ela, 5 itens são essenciaisAmbiente (porque VM desperta sentidos), Sazonalidade (criações constantes), Preço (quanto o cliente está disposto a pagar), Moda (item forte, hot) e Seleção (curadoria), assegurando que “VM hoje atua diretamente no momento decisivo de compra do cliente, rendendo muito resultado para as marcas”.

A palestrante já desenvolveu mais de 500 projetos para mais de 70 marcas diferentes no mercado e apresentou cases em que funcionou, como nas marcas C&A, Centauros e The Beauty Box. Durante a apresentação dos cases explicou que em lugares como Tóquio, onde não há vitrines, o ambiente todo de loja torna-se a vitrine, e que isto é muito inspirador. A Viner desenvolve projetos especiais também para flagships stores, além de projetos Retrofit, onde, neste caso, a arquitetura da loja não é alterada, mas a cenografia, os equipamentos, os manequins, tudo é novo, para que sobreviva um pouco mais até mudar o projeto. Usa também técnicas como cross merchandising, cruzando vários produtos no ponto de venda, ou seja o consumidor tem um “package completo” e a curadoria, separando itens por suas funções.

Ao final, Salek explicou sobre a necessidade de haver um trabalho de experiência de compra na loja, traduzindo a história da marca para a vitrine. Nisso tudo, há o conceito, as referências visuais, o board visual do que se pretende e aí também entra outra dica valiosa: “cruzar o ponto de contato com o cliente” e nisso, o mundo virtual influencia bastante o físico em se tratando de comunicação da marca (apesar de o custo de tecnologia no Brasil ser muito caro) e as blogueiras tâm sido um meio para isto. 

Passada a palavra ao palestrante internacional da noiteRon Pompei, da Pompei Design, este apresentou muitos cases de seu trabalho, como Urban Outfitters e Anthropologie. Ron acrescentou que a loja não é um lugar apenas comercial, tudo é criado de uma forma mais social, criando “brand experiences”: “cada loja tem que contar sua história”, mas não se restringir ao local, ter visão global, para que seja uma verdadeira experiência para o cliente, “não é só vender algo, é algo que você sente”, que seja cultural. 

Pompei disse ainda que pode-se pegar qualquer espaço e criar, transformar, sem tirar a história do local e exemplificou com trabalhos seus em uma igreja e em um teatro. Dicas como “os clientes tem que ver a movimentação, ver outros clientes usando o espaço da loja”, “colocar os produtos de forma que o cliente se sinta em casa, quando necessário” “usar o design, a luz, displays, collages, elementos ecológicos” conforme a história e o conceito da marca foram passadas. Ron finalizou dizendo “mais imaginação, criatividade e inovação para o futuro”.

A terceira palestrante do talkshow, Ana Luiza, traçou toda a sua trajetória profissional, desde a escolha por VM, tendo em vista sua paixão pelo “meaning”, afirmando que “VM é mensagem vendida”, “falar do produto mais do que fazer o produto”, até o atual posto, na Ralph Lauren, responsável ainda pela RRL de Londres, que é a flagship da Europa. Ana Luiza disse que para trabalhar no visual merhandising, tem que amar, ainda mais com as dificuldades impostas no Brasil. Uma de suas dicas, e esta é bem interessante, é tentar pensar no “efeito celebridade”, ou seja, muitas marcas querem ser famosas já, querem sucesso rápido, mas não funciona assim: “o que é lindo hoje, amanhã é esquecido, tem que pensar a longo prazo”, “o VM proporciona venda imediata sim, mas a estratégia é a longo prazo” “tem que parar e olhar para dentro da marca, ver a sua identidade”.









Meninas da equipe de colaboradores Rio Moda

Look do 2º dia como colaboradora Rio Moda




Último look de colaboradora!!!

Mimo que ganhamos da Ipanema! Amei

Postado terça-feira, 26 de agosto de 2014

Rio Moda Discute Internacional 2014 - Arte e Pesquisa Contemporânea deModa

Ontem, 25 de agosto do corrente, o Rio Moda Discute Internacional contou com a presença das palestrantes Nathalie Rozborsky, consultora chefe internacional do setor de moda e beleza na NellyRodi, Ana Laet, Designer gráfica e Andrea Marques, estilista, debatendo sobre Arte e Pesquisa Contemporânea de Moda, com mediação de Maria Prata.

Nathalie iniciou o talkshow e deu dicas valiosas sobre pesquisa de moda, deixando claro a importância do merchandising, pois, segundo ela, “merchandising é, de fato, a chave do sucesso para as marcas no momento.”

A palestrante francesa ressaltou que não há bola de cristal, mas sim uma integração entre a pesquisa que revela as tendências (e isso inclui digital trend books, trendsetters, blogs, laboratórios e indústria de cores, entre outros) e de marketing. A pergunta que temos que fazer é “sobre o que é o futuro?”.

Outra dica importante é que há uma revolução do middle luxury, das marcas “ready to wear”, que não são nem alta-costura, nem fast fashion, estão no meio termo, tendo hoje um grande desenvolvimento. Citou o case Alexander Wang e acrescentou a necessidade de combinar sucesso criativo com sucesso de vendas, finalizando com informações valiosas: “As coleções precisam ser muito renovadas”, “não é apenas sobre o produto, basicamente temos cinco pilares: produto, qualidade, serviço, humanidade e status de marca, devendo proposta ser feita de forma global”.

A designer Ana Laet apresentou diversos cases de apropriação da arte pela moda, como Huis Clos, que se influenciou pelo trabalho de Helio Oiticica, esclarecendo que foi um trabalho a quatro mãos e que as roupas eram todas com dobraduras.


Andrea Marques abrilhantou o talkshow falando sobre como um movimento artístico se torna uma coleção de moda: “O que começa com um traço solto pode se transformar no ponto de partida para uma coleção”. A estilista esclarece que seu trabalho acaba tendo uma relação com a arte muito grande e que as três últimas coleções foram mais estabelecidas neste sentido. Assevera que “as obras têm um movimento” e que “quando a cor entra é sempre para dar luz e movimento”. Mas acrescenta: “a moda flerta com a arte o tempo todo, mas não PE arte, tem um business”, “a moda exige ousadia e riscos muito altos”.

Algumas fotos do evento de ontem e da equipe de colaboradores Rio Moda


Roberto Meirelles

Maria Prata




Equipe de colaboradore

Selfie com a diva Maria Prata

Look colaboradora 1º dia

Postado domingo, 24 de agosto de 2014

Ensaio Lígia Fernandes

Lembra do post sobre o desfile das meninas da Faetec? A Lígia Fernandes, foi uma das meninas participantes que ganhou o book da Monique Ranauro, proprietária da Couple Fotografia. Hoje foi o dia do ensaio e a Lígia foi super profissional, excelente! A história do ensaio girou em torno do próprio dia a dia da Lígia que dança diversos tipos de modalidades. Pensamos em um universo de academia, onde, em geral, a bailarina sai de uma aula para outra.

Para isso, contamos com a colaboração da Juliana Nascimento, amiga de longa data, dançarina do Barra Music Casa de Shows e diretora da Academia de Artes Josias Nascimento, localizada na Rua Professora Digomar Simões de Souza, nº 48, Miguel Couto, Nova Iguaçu, RJ. A Juliana, é professora de dança e já participou de diversos programas da Globo, como o The Voice Brasil. Além de ceder o espaço, a Ju ensinou umas poses stiletto para as nossas fotos. O ensaio da Lígia retratou uma aula de ballet, de boxe e ainda stiletto. A bailarina e modelo vai da doçura ao carão durante este processo, e a amostra do resultado, dentre muitas e muitas fotos, você vê aqui! Depois faço post contando como fiz a 3 makes da Lígia para as fotos! ;)

Styling: Eu e Paulo Hudson Santana
Make: eu que fiz 
Fotografia: Monique Ranauro
Colaboradores: Juliana Nascimento e Vitor Ramos
Locação: Academia de Artes Josias Nascimento
Roupas e acessórios: acervo 
















Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...